18 agosto, 2016

#Tag: Respondendo o Livro das Perguntas de Gregory Stock [Parte 1]


Há alguns dias um amigo me enviou pelo Facebook 100 perguntas que fazem parte do Livro das Perguntas do autor Gregory Stock e como só se tem disponíveis essas 100 questões, eu resolvi respondê-las em duas partes, confira a parte 1:

 


Por um grande amor, você seria capaz de mudar para um pais distante, mesmo sabendo que dificilmente tornaria a rever sua própria família e amigos?
Bom, não há aquela música que diz: quem irá dizer quem não existe razão nas coisas feitas pelo coração? Me mudaria sim, desde que houvesse estabilidade tanto sentimental quanto financeira.

Você acredita em fantasmas ou espíritos maus? Concordaria em passar uma noite, inteiramente só, numa casa isolada e com fama de mal assombrada?
Acredito sim. Porém eu não concordaria com isso. Devemos ter respeito pelas Almas sem luz, mesmo que as mesmas nos prejudiquem de alguma forma.

Se você fosse morrer esta noite e não tivesse a menor chance de se comunicar com ninguém, o que mais lamentaria não ter dito a alguém? Por que não disse até agora?
Eu burlaria essa regra é deixaria uma carta. No momento não me vem nada a mente para dizer a não ser que eu realmente me sinto culpada por tudo e isso me demoniza.

Você aceitaria viver um ano de sua vida na mais completa felicidade, se depois não lhe restasse qualquer lembrança dessa experiência? Se a sua resposta é não, diga por que.
Aceitaria sim, pois já vivemos dias extremamente difíceis e, por consequência, tristes.

O que é mais importante: a experiência real ou as lembranças deixadas pela experiência que já passou?
Com certeza as lembranças, que é um modo de reviver as próprias experiências reais.

Descobriram um novo medicamento capaz de curar artrite. Mas que, em compensação, pode causar uma reação fatal em 1 por cento das pessoas que o tomarem. Se estivesse em suas mãos liberar o produto para o público, você o faria?
Sim. Sem dúvidas. É melhor arriscar os 1% do que deixar que os 99% morram em decorrência da minha negligência.

Você descobre que seu adorado filho de 1 ano de idade foi trocado na maternidade e não é realmente seu. Trocaria essa criança pelo filho verdadeiro?
Não. Afinal, se eu nem soubesse quem era meu filho biológico, qual a necessidade de traumatizar alguém que eu consideraria parte de meu próprio ser? Como diz o livro O Pequeno Príncipe: Você é eternamente responsável por aquilo que cativas.

Você acha que o mundo, daqui a cem anos, será melhor ou pior do que é agora?
Espero imensamente que seja um lugar melhor. Um lugar de vivência e não sobrevivência como é atualmente.

O que você preferiria: ser membro de uma equipe esportiva campeã. Ou campeão de algum esporte individual? Qual esporte escolheria?
Campeã de algum esporte individual. Eu escolheria algo relacionado a artes marcias ou ginástica olímpica.

Se alguém lhe oferecesse 1 milhão de dólares para deixar o pais e nunca mais voltar, você aceitaria?
Onde eu assino? Com toda certeza sim. Nem pensaria duas vezes. Na verdade, pra que pensar no Brasil de com um milhão eu posso estar pensando no Egito de frente ao Rio Nilo?

Se fosse expulso do pais e tivesse poucos recursos financeiros, onde tentaria reconstruir sua vida?
Londres. Eu cantaria em pubs todas as noites e seria bem feliz.

Em sua opinião, em nossa sociedade, a vida é mais fácil para o homem ou para a mulher? Alguma vez já desejou ser do sexo oposto?
Com certeza para o homem que, apesar da pressão da sociedade, não precisa de matar apenas para arranjar um alguém. Todos os dias eu gostaria é inverter papéis.

Você adquire o poder de matar pessoas simplesmente pensando nelas e repetindo duas vezes a palavra “adeus”. Suas vitimas terão morte natural e ninguém suspeitará de nada. Existe alguma situação em que usaria este poder?
Mas é claro que sim, vamos apenas considerar o fato de que inúmeras vezes essas pessoas me mataram aos poucos e lentamente.

Você pode se imaginar matando alguém por meios indiretos? E se tivesse que olhar a pessoa nos olhos e golpeá-la até a morte? Alguma vez desejou realmente matar alguém ou que alguém morresse?
Que morresse sim, mas até a presente data, eu seria incapaz de matar alguém.

Se você pudesse viver até 90 anos e conservar ou o corpo ou a mente dos 30 para os últimos sessenta anos de sua vida, o que escolheria? Mente ou corpo?
A mente com certeza, de que adianta um corpo bonito se eu não saberia fazer um bom uso dele?

O que é, em sua opinião, uma noite perfeita?
Aquela que começa com um bom jantar romântico e termina recheada de amor.

O que você escolheria: ter o mais absoluto sucesso profissional e uma vida pessoal tolerável. Ou uma vida pessoal extremamente feliz e a profissional apenas regular?
Absoluto sucesso profissional. Nunca me dei bem em nenhuma das suas áreas da minha vida. A que se sobressair eu estarei no lucro. 

Já que tanta gente diz preferir uma vida particular feliz, por que acha que se empenham muito mais na carreira profissional?
Na minha opinião, o trabalho dignifica o homem é através da satisfação profissional podemos entrar em acordo com nosso eu pessoal.

Se diz que considera a vida particular mais importante, seu comportamento confirma isso? Será que não está apenas evitando admitir o quanto o trabalho o satisfaz? Você faz do trabalho um substituto? Espera que o sucesso profissional, de alguma forma mágica, o leve à felicidade pessoal?
Minha vida pessoal será no mínimo mais equilibrada com meu sucesso profissional.

Qual a pessoa que você mais admira? Até que ponto ela serve de modelo para sua própria vida?
Morta, minha avó. E apesar de eu não me considerar forte, ela foi um exemplo de força.
Viva, eu poderia citar Amy Lee (Evanescence), porém, embora ela seja uma musicista extraordinária, é muito reservada como pessoa e assim fica mais difícil você tomar como base inspiracional, considerando o fato que ela se afasta da mídia de 5/6 anos em 5/6 anos.
Então eu cito suas pessoas: 
Demi Lovato: ela desmistificou a bipolaridade e auto mutilação, enfrentou e ainda enfrenta o mundo por algo do qual ela acredita que possa salvar a vida de alguém e isso me inspira demais e me ajuda a mandar minha sanidade.
Minha mãe: ela faz das tropas coração para poder deixar tudo na linha, mesmo depois que minha avó morreu e minha família se desintegrou, ela mata um leão por dia e isso eu admiro muito.

Se na hora do nascimento do seu filho você pudesse escolher a futura profissão dele, você o faria?
Não. O livre arbítrio está aí para que as pessoas façam uso dele. E além do mas, não quero cometer os mesmos erros que eu cometi aceitando a imposição dos outros e me tornando bastante frustrada em muitos aspectos da minha vida.

Você aceitaria transformar-se numa pessoa muito feia fisicamente em troca de viver mil anos, conservando o corpo e a mente com a idade que quisesse?
Não. Apesar de eu não ser bonita (não nos padrões da sociedade), ninguém deveria ficar pra semente. Para que viver mil anos? Não faz o mínimo sentido.

Você trata as pessoas de acordo com a aparência física?
Não. Embora até hoje eu seja destratada em razão disso, somos feito da mesma carne, andamos sobre o mesmo céu e somos filhos do mesmo Deus. Então porque fazer distinção?

Se um acidente o tornasse muito menos atraente do que é, isso afetaria sua vida? A questão da imortalidade o preocupa? Qual a idade ideal para você?
Isso afetaria a vida de qualquer pessoa, uma vez que estamos sempre em busca constante por aceitação e por evolução. Então sim, me afetaria sim.
Não vejo sentido algum em se preocupar com algo impossível como a imortalidade. 
A idade ideal será sempre a que tenho no momento em que vivo.

Se você pudesse acordar amanhã com uma nova qualidade ou habilidade que não tem hoje, qual escolheria?
Inteligência. Como eu queria ser uma genia. Mas é aquele ditado: vamos fazer o que?

Você tem a chance de conhecer uma pessoa com quem poderá viver um maravilhoso caso de amor. Mas sabe que, em seis meses, ela irá morrer. Mesmo assim gostaria de conhecê-la e apaixonar-se? E se soubesse que essa pessoa não iria morrer, mas, ao invés disso, trair você?
Porque não? Normalmente as pessoas que me apaixono já me decepcionam de modos tão mais pesados que uma traição, um chifrezinho a mais não faz tanta diferença né mores.
Em relação a morte de outra pessoa: se puder ser eu a pessoa que durante os seis meses irá salvar seu espírito e trazer paz e felicidade, seria uma honra.

No amor, o que acha mais importante: a intensidade ou a segurança? O que espera de alguém que o ama? O que o faria sentir-se traído pelo seu amor: indiferença, mentira ou infidelidade?
Uma intensidade segura. Afinal, fui criada para ser independente, incluindo sentimentalmente. Eu espero de alguém que me ame somente que me ame. 
Mentira e indiferença são piores do que a infidelidade em si, elas o fazem tomar nojo da pessoa e isso é muito ruim.

Sendo muito rico e sabendo que, depois de sua morte, sua herança poderia ser usada em beneficio de toda a humanidade, você mudaria seu testamento deixando apenas uma pequena parte para sua família?
Assim como eu, minha família não ficará para semente, então que seja usada para quem realmente precisa. Porém, minha família se engloba na humanidade: uma vez que também são seres humanos habitantes desse planeta.

Você prefere a companhia de homens ou mulheres? Seus amigos mais íntimos costumam sero do sexo masculino ou feminino?
Homens. Eu tenho amigas mulheres e as amo. Mas eu me sinto a vontade na presença de meus amigos homens. Nossa conexão é maior.

Se tivesse que fazer um “despacho” para prejudicar alguém, você o faria?
Olha, já fizeram tanto pra mim e tão pesados, é ainda fazem. Eu não entendi o motivo até hoje: não sou rica, nem famosa e nem bem sucedida. Porém eu tenho uma coisa que essas pessoas jamais terão: humanidade.
Eu não faria atoa. Eu mando de volta. E o resto deixo a cargo da justiça divina.

Durante uma viagem, a pessoa que você ama conhece e passa uma noite com alguém muito atraente. Eles nunca mais se encontrarão e você só ficará sabendo do caso se o seu amor lhe contar. Você gostaria de saber? Se os papéis se invertessem, você contaria?
Não e não. Faz sentido arriscar uma vida por algo que jamais vai ocorrer novamente? Pois é. Não faz.

Até que ponto um caso com outra pessoa precisa ser sério para você preferir que seu amor lhe conte? Por que uma confissão dessas é tão ameaçadora que a maioria das pessoas prefere não ficar sabendo? Esse tipo de honestidade poderá ser destrutiva ou criar maior intimidade e confiança entre os parceiros? Até que ponto você confia em seu amor? Até onde pode-se confiar em você?
A resposta é simples: se o amor for realmente forte, porquê ele teria que ser abalado com uma confissão desse nível? Ainda mais sabendo que foi algo único? Que jamais aconteceria novamente?
Não querer colocar um relacionamento estável em jogo não me faz uma pessoa que não passa confiança e que não seja capaz de oferece-la.

Há pessoas que você inveja a ponto de querer trocar de vida com eles? Quem são?
Claro. Eu queria ter acordado como a Rihanna, mas tem outros dias para tentar.

Por uma semana de férias em qualquer lugar do mundo, com todas as despesas pagas, você mataria uma linda borboleta arrancando suas asas? E se tivesse que pisar em uma barata viva?
Borboleta não sei. Mas a barata eu não tenho um pingo de dó. Eu quem quase morro quando a barata abre as asas e voa. Então seria legítima defesa.

Por que uma pessoa bonita merece mais consideração do que uma feia? Estamos nos prejudicando psicologicamente quando destruímos coisas que consideramos bonitas? Existe uma grande diferença entre arrancar as asas de um inseto e pisar nele? A decisão de como matar um ser vivo é menos importante do que a de matar ou não?
O que acontece com o ser humano nos dias atuais é que a mídia nos enfia tanta coisa garganta a baixo e nos sentimos obrigados a sugerir tais padrões, pois somos pré-conceituados a aceitar que as diferenças são ruins quando na verdade é o que nos torna únicos e exclusivos. Para mim, Sara, não existe diferença em aparência. Existe diferença em essência, em caráter. E as pessoas que não possuem esses dois últimos itens respectivamentes, não merecem ser tratados com consideração.

Você seria capaz de assassinar uma pessoa inocente se esta fosse a condição para acabar com a fome no mundo?
Sim. O que seria uma pessoa morra em detrimento de milhões alimentados? Contanto que essa pessoa concorde. Não haveria problemas alguns.

O que faria você sofrer mais: ser responsável pela morte de uma pessoa inocente ou saber que deixou milhões de pessoas morrerem? O que pensa de pessoas que tomam grandes decisões contrariando seus princípios? Há muita gente disposta a sacrificar sua própria vida, mas é incapaz de matar alguém. Há alguma coisa pela qual você seria capaz de sacrificar tudo, até sua alma?
Como eu citei acima, é melhor ser uma assassina de uma alma do que carregar nas costas o peso de milhões delas. Quanto ao fato de contrariar os princípios, o que é moralmente certo, nem sempre é o melhor. Eu ja sacrifiquei minha vida vendo minha avó morrer na minha frente. Isso foi algo que tirou a alma do meu corpo, mesmo que por minutos.

Se Deus aparecesse em seus sonhos e dissesse para você abandonar tudo, seguir para o mar Vermelho e se transformar num pescador, o que faria? E se Deus pedisse para sacrificar um filho?
Apesar de eu não seguir nenhuma religião pré determinada (motivos pessoais), eu acredito muito nos orixás e em Deus. Mas um Deus benevolente, não um Deus punitivo. Mas um Deus cheio de misericórdia.
Deus é amor. Ele jamais me pediria algo dessa magnitude apenas para saber de que lado estou. Esse Deus inquisidor é fruto da religião. Só existe na cabeça dos fanáticos. Eu não estarei desagradando a Deus por vover uma vida na qual eu acredito. Ele me deu o livre arbítrio e eu vou fazer um bom uso dele.

Qual a sua melhor recordação?
Ainda não a fiz.

Você já odiou alguém? Em caso afirmativo, por que e por quanto tempo?
Ódio não. Mas uma magoazinha a gente guarda até hoje. Afinal, Jesus que perdoa. Eu só vou anotando os vacilos.

Você preferiria receber 10 mil dólares para seu próprio uso ou 100 mil dólares para distribuir a pessoas que não conhece? E se essas quantias mudassem para 1 milhão de dólares para você contra 20 milhões para os outros?
Tem alguma finalidade benéfica a distribuição? Vamos pensar com lógica: com um milhão eu posso fazer muito pelas pessoas desconhecidas, mais do que se distribuisse quantias maiores as pessoas uma vez que eu tenho clara a ideia de elas não administrariam bem essa quantia.

Se soubesse que haveria uma guerra nuclear dentro de uma semana, o que você faria?
Tentaria se possível, salvar o máximo de pessoas, mesmo achando que diante de uma guerra nuclear isso seria inútil.

Você aceitaria viver vinte anos na mais extraordinária felicidade se isto significasse morrer no fim deste período?
Claro que sim, nunca se sabe eu eu teria menos que isso para viver.

Qual a maior realização de sua vida? Existe algo que espera fazer que seja ainda melhor?
Realização? Eu ainda não tive. Espero me tornar uma pessoa melhor profissional e pessoalmente.

Qual foi seu melhor sonho? E seu pior pesadelo?
O meu melhor sonho? Ainda não tive. Espero ter essa noite. Pior pesadelo a morte da minha avó. Só que esse foi real. Eu estava bem acordada.

Você daria metade do que possui para ter uma pílula que com apenas uma hora de sono por dia o fizesse rejuvenescer?
Não. Eu gosto muito da minha aparência. Pelo menos hoje em dia com 27 anos.

Você acha que tem muito tempo pela frente? Em caso negativo, porquê? Até que ponto a idade mudou sua atitude com relação ao tempo?
Espero que tenha tempo suficiente para ser quem eu realmente sou e me orgulhar disso. A idade apenas me trouxe a consciência de que nada é eterno. Nem mesmo o tempo.

Se soubesse que, dedicando-se a qualquer atividade – música, literatura, negócios, política, medicina, etc. – estaria entre as melhores e mais bem sucedidas pessoas do mundo, qual você escolheria? E se tivesse apenas 10 por cento de probabilidade, você faria a mesma escolha?
Música. Mesmo se me restasse apenas um por cento. Nada me traria maior alegria e realização do que fazer algo que eu realmente amo.

Qual foi sua melhor experiência com drogas ou álcool? E a pior?
Eu não uso drogas e nao bebo de perder a consciência. Então não tenho resposta para essa questão.

Num jantar, é servido um prato que você não conhece. O aspecto é estranho e nada apetitoso. Mesmo assim você o provaria?
Claro. Bora comer e não ter a vergonha de ser feliz.

Seus amigos mais íntimos são sempre mais velhos ou mais jovens do que você?
Mais jovem. Não me identifico com pessoas mais maduras que eu.

Com que tipo de pessoa gosta de passar seu tempo? O que essas pessoas despertam em você e as outras não? O que se pode aprender sobre você apenas observando seus amigos?
Com pessoas que entendam de música e que consigam falar horas e horas sobre isso.  Esse tipo de pessoa me interessa por ser meu reflexo. Bom, observando meus amigos? Creio que se aprenda que sou uma pessoa que tenta sempre fazer o bem sem olhar a quem.

Se a pessoa com quem vai casar sofresse um acidente e não pudesse mais andar, você continuaria com ela ou desistiria do casamento?
Continuaria sim. Se ela ainda pudesse me amar em seu coração.

Sua casa, com tudo o que lhe pertence, pega fogo. Depois de salvar seus entes queridos, ainda há tempo de, sem risco, buscar mais alguma coisa. O que seria?
Meu quarto. Já vou deixar ele descolado so por precaução :)

Como reagiria se soubesse que a pessoa que você ama já teve um caso com alguém do mesmo sexo?
O que eu tenho com isso mesmo? Ah, lembrei: NÃO TENHO NADA HAVER COM ISSO.

Já se sentiu sexualmente atraído por uma pessoa do mesmo sexo? Por alguém de sua família? Em caso positivo, como lidou com isso?
Todos na vida passam por um período de descobertas, basta apenas se permitir a descobrir quem você realmente é.

Quando foi a última vez que participou de uma briga? O que a provocou e quem ganhou?
Briga? Com meu ex. E sim eu ganhei.

A seguinte situação pode lhe render 1 milhão de dólares. À sua frente estão dez revólveres. Apenas um deles está carregado. Você deve escolher um, apontá-lo para a testa e puxar o gatilho. Se você sair dessa, estará milionário. Correria o risco?
Claro. São dez milhões. Mas como sou a rainha da catástrofe, possivelmente eu escolheria o carregado, mesmo estando entre 10.

Alguém que você quer muito bem está doente, sofrendo muito e só terá um mês de vida. Essa pessoa lhe suplica que apresse sua morte. Você atenderia ao apelo? E se fosse seu pai?
Em nenhuma das duas hipóteses. Quem decide isso é Deus. Não é de minha competência.

Concorda que seja ilegal ajudar um doente terminal a morrer? Se alguém não está morrendo, mas sofrendo muito, você acha que deveria ser permitido que se suicidasse? E se a dor for mais emocional do que física?
Como foto antes, não sou competente para isso. Não sou capaz de opinar.

Qual foi a última vez que cantarolou para você mesmo? E para outra pessoa?
Para mim quase todo dia. Para outras pessoas também.

Você tem a oportunidade de viajar para qualquer época do futuro. E depois de um ano voltar ao presente com todos os conhecimentos experiências lá vividos. Você faria essa viagem se houvesse 50 por cento de possibilidade de perder a vida?
Claro que não. Não me interessa viver algo no qual eu já tenha vivido. Eu odeio dejavú.

Se pudesse escolher qualquer pessoa do mundo, quem você gostaria de ter como convidado para jantar? E como melhor amigo? E como amante?
Jantar: Amy Lee
Melhor amiga: Demi Lovato 
Amante: Bill Gates

O que você procura nos amigos, mas não espera nem quer na pessoa amada? Você se envolve com pessoas saudáveis?
Eu busco nos meus amigos uma estabilidade. Uma não intensidade. Sim, sempre procuro me envolver com pessoas que compactuar dos mesmos interesses que os meus.

É tarde da noite e seu carro raspa levemente a lateral de um Porsche estacionado. Você tem certeza de que ninguém viu. O dano é pequeno e não será coberto pelo seguro. Você deixaria um bilhete com seu telefone no pára-brisa do carro?
Eu não. Não tenho dinheiro nem pra pagar uma passagem de ônibus. Ainda mais que quem compra um carro desse pode pagar pela minha vida e ainda voltar troco.

Se pudesse escolher sua forma de morrer, como seria?
Dormindo.

Você prefere morrer como herói, como mártir de uma grande causa, numa catástrofe natural ou placidamente? Por que desejamos que a morte nos surpreenda enquanto dormimos? Como seus sentimentos sobre a morte influenciam sua maneira de viver?
Como herói. Porque sempre associamos morte a dor, então se morrermos dormindo, não a sentiremos. Tirando a época da bad, raramente me influenciam.

Você tem objetivos a serem atingidos a longo prazo? Cite um deles e como pretende alcançá-los.
Sim. Montar uma gravadora/produtora musical. Pretendo ganhar na loteria.

Com que freqüência analisa sua vida e os rumos que ela está tomando? Sob que aspecto a conquista de suas metas tornam sua vida mais satisfatória?
Todo Santo dia penso nos 0 rumos tomados. Mas temos outros dias para tentar.

Qual a coisa que mais gratifica você na vida?
Comprar um cd novo e ajudar ao próximo.

Como você reage quando as pessoas cantam “Parabéns a você” num restaurante?
Quando eu comemorar meu aniversário num restaurante eu conto.

Qual a tortura psicológica que mais faria você sofrer? Não considere danos físicos, mesmo que sejam mínimos.
Reviver toda a dor da morte da minha avó.

Você se importaria se a pessoa que ama fosse mais inteligente e atraente do que você?
Não. Alguém no relacionamento precisa ser alguma coisa, né non?

Se descobrisse que um grande amigo seu está com AIDS, você o evitaria? E se fosse seu irmão ou irmã?
Nunca.

Você estaria disposto a desistir de sexo durante um ano se isso lhe trouxesse uma sensação de paz muito maior do que sente agora?
Claro que sim. Paz é tudo aquilo que almejo.


2 comentários:

  1. Oii, tudo bem?
    Amei seu post, fiquei super curiosa com esse livro ♥
    Beijoss!

    http://www.outrocapitulo.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visitinha! Volte sempre, não deixe de ler o restante!!!
      <3

      Excluir

Obrigada por visitar! ♥
Sua opinião é muito importante para mim, não deixe de comentar
e volte sempre ☻

Copyright © 2015 #ExtraordinariamentePink
| Distributed By Extraordinariamente Pink