05 agosto, 2016

#Tag: Perguntas Difíceis de Responder


Há muito tempo eu pretendo de coração me abrir e ser totalmente sincera com as pessoas ao meu redor e também quem faz parte do meu mundo mesmo que seja virtual. Com certeza você vai conhecer muito sobre mim apenas lendo essas perguntas e respostas, vamos?

Qual é a coisa pela qual você é extremamente grato? Há algo que você possa dizer que é maravilhoso em sua vida?
Sou extremamente grata por quem ficou do meu lado na épocaem que eu perdi minha avó, foram momentos muito difíceis e eu agradeço quem se propôs a me dar apoio. Algo maravilhoso...a capacidade de dar sem querer receber nada em troca.


Perder todas suas velhas memórias ou nunca ser capaz de fazer novas?
Nunca ser capaz de fazer novas, por dois motivos: eu sempre quero apagar o passado de alguma forma, pois infelizmente não sei lidar com ele e porque como já passou, apesar das 267 bads e 438 paranóias, não vai mudar de forma alguma.


Seu maior medo, em algum momento, se tornou realidade?
Sim. A morte da minha avó.  Na verdade todos os momentos em que ela esteve doente e passou no hospital (praticamente toda a vida), e eram momentos pelos quais eu gelava a alma e sentia de perto a sombra da morte.


O que te chateava há 5 anos atrás, ainda te chateia?
O fato de eu ter sido acusada de roubo (não roubei nada) por uma juíza com a qual eu estagiei e por eu ter sido tão humilhada por isso. É algo que eu não consigo perdoar. É a única coisa. E vindo de alguém que tem por obrigação ser justa e zelar por justiça. Isso me fez desistir e desinteressar completamente pelo direito, que é a faculdade na qual eu me formei. Eu nunca de fato conseguirei progredir nessa carreira depois de ver de perto a podridão do ser humano.


Qual é a sua memória mais feliz infância? O que a torna tão especial?
Infância? Infância eu não recordo, eu passei toda a minha infância sofrendo bullying por causa da obesidade então tudo que eu me lembro era de me sentir anormal e constantemente querer me matar. Mas me lembro que no ano em que minha avó faleceu eu me deitava na cama com ela e isso era muito especial pois de alguma forma eu sabia que devia contar as horas pois o nosso tempo estava acabando.


Em que momento no últimos tempos você se sentiu mais apaixonado e vivo?
Apaixonada? Posso dizer que houve um leve crush algumas vezes, mas nada de intenso. Viva? Não me sinto há muito tempo. Preciso realmente trabalhar nisso.


Você sente como todos seus dias fossem iguais?
Sim. Acordar, levantar, comer, dormir. Nada de novo e especial. Não sei quando eu perdi o interesse pelas coisas simples e a vontade de realmente querer mudar alguma coisa, não sei o que ou quem fez todo esse estrago e nem faço ideia da extensão do dano, mas eu simplesmente perdi o interesse, em tudo.


Quando foi a última vez que você seguiu um caminho apenas com o brilho suave de uma ideia em que você acreditava fortemente?
Acontece sempre que eu crio alguma coisa nova. Mas logo isso passa a me interessar tão facilmente quanto me entreteve.


Se você soubesse que todos que você conhece morreriam amanhã, quem você visitaria hoje?
Meus primos gêmeos e o irmão deles. Eu não sei ao certo tudo que aconteceu eu ainda estou meia perdida, mas a família se distanciou muito depois da morte da minha avó e eu sinto que de alguma forma bizarra eu contribui pra isso. Outra coisa na qual preciso trabalhar.


Você estaria disposto a reduzir sua expectativa de vida em  10 anos somente para se tornar extremamente atraente ou famoso?
Olha, sem sombra de dúvidas. Por mais que se negue, vindo de mim que sou obesa, se encaixar nos padrões seria algo surreal.


Você conhece a diferença entre estar vivo e realmente viver?
Há duras penas conheço sim. Há muito estou viva. Mas há muito não sei o que é viver.


Se aprendemos com os nossos erros, por que estamos sempre com medo de cometer um erro?
Decepcionar alguém. Sempre estamos visando o bem estar do próximo acima de nós mesmos e é esse o motivo pelo qual nos sentimos tão amedrontados de andar pelas próprias pernas.


O que você faria de forma diferente se soubesse que ninguém iria julgá-lo?
Continuaria comendo, sem ter a vergonha de ser feliz.


Quando foi a última vez que você prestou atenção na sua própria respiração?
Quando minha avó adoeceu eu fiquei obcecada em olhar a respiração dela. Checava de minuto em minuto. Mas a minha mesmo nunca dei a devida importância.


O que você ama? Algum de suas ações recentes expressou abertamente esse amor?
Definitivamente eu amo comprar cds. Gastei cerca de duzentos reais da ultima vez.


Em 5 anos a partir de agora, você vai se lembrar o que você fez ontem? E sobre o dia antes disso? Ou no dia anterior? Os seus dias são marcantes?
Provavelmente se algo ruim ou difícil de lidar sim. Caso contrário, não há momentos marcantes.


As decisões estão sendo feitas agora. A pergunta é: Você está as tomando por si  ou você está deixando que os outros as tomem por você?
Eu posso apenas me eximir de dizer que ainda não sei o que está acontecendo.


Se você tivesse 30 segundos para falar algo para o planeta inteiro, o que diria?
Somos todos iguais e quando morrermos vamos todos para a mesma terra e seremos cômodos pelos mesmos insetos, para que guerra se podemos amar?


Se você fosse morrer amanhã, meia noite, o que você estaria fazendo às 11:45 da noite?
Comendo nutela. Melhor, comendo vários sonhos recheados de nutela. E ouvindo música.


Você realmente sabe de algo, com conhecimento absoluto?
Absolutamente não. Nem de mim mesma, pois sou uma metamorfose ambulante.


Se você tivesse todo o dinheiro do mundo mas ainda tivesse que ter algum emprego, o que você escolheria fazer?
Montaria uma produtora e uma gravadora musical.


Quando você tiver 90 anos, o que vai ser mais importante para você?
Com certeza o tempo.


Do que você mais se arrepende na vida?
Possivelmente da faculdade pela qual eu fiz.


Como você pode aplicar as lições que você aprendeu pelos seus arrependimentos HOJE?
Quando chegar a hora carro algo que realmente me traga felicidade e que eu não me sinta na obrigação de fazê-lo.


Se você perder tudo amanhã, pros braços de quem você correria?
Não temos nada a perder.


O que você mudaria se soubesse que nunca morreria?
Olha, daria um jeito de morrer. Ninguém merece viver para sempre nesse mundo.


Se você estivesse nos portões do paraíso, e Deus perguntasse “Por que eu deveria deixar você entrar”, o que você responderia?
Para não me deixar entrar tem que ter muito ódio no coração pois sou um amorzinho.


Quando você vai ser bom o suficiente para si mesmo?
Provavelmente nunca.


Haverá algum ponto onde você aceitará absolutamente tudo sobre si mesmo?
Podemos até aceitar. Mas conformar, isso é outra história.


O país que você mora é o pais que realmente é a sua cara?
Não. Eu adoraria viver na Inglaterra.


Você tem medo da morte?
Apenas da forma com a qual eu morrerei.


O que as pessoas diriam sobre você no seu funeral?
Essa foi trouxa a vida toda coitada, só deu close errado.


Que pequena coisa você faria para tornar o dia de alguém melhor? 
Sempre tento ao máximo colocar as pessoas em primeiro lugar.


O que você acredita que está entre você e sua felicidade verdadeira? 
Minha mente. Minha força de vontade e minha condição financeira.


2 comentários:

  1. Caramba, lendo esse post eu fiquei pensando no que eu responderia.. hahahaha Bem difícil mesmo. Mas gosto de perguntas que nos fazem refletir. Sempre rola uma reflexão que leva a gente a pensar sobre muitas coisas na nossa vida, como: atitudes que tomamos, coisas que falamos.
    Adorei o post. Beijão <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou ficar super curiosa com suas respostas hahaha em breve postarei a segunda parte. Aproveita e responde essa, se vc fizer não deixa de me falar. Metrô com prazer

      Excluir

Obrigada por visitar! ♥
Sua opinião é muito importante para mim, não deixe de comentar
e volte sempre ☻

Copyright © 2015 #ExtraordinariamentePink
| Distributed By Extraordinariamente Pink